30 agosto 2008

Açores - o vídeo

De uma viagem, sobretudo uma viagem em que um grupo de jovens contacta com outro grupo de jovens, ficam sempre belos momentos. Tão belos que as palavras não chegam para descrever, principalmente quando foram passados nos Açores... Assim sendo, reuni num vídeo as imagens, para melhor tentar descrever esses momentos. Os dias passaram rápido, criaram-se relações impossíveis de descrever, as paisagens são únicas e, mais uma vez, indescritíveis. Saudades, ficam muitas. E vontade de voltar também.

video

Obrigado a todos por tão bem nos terem acolhido =)

Esperamos uma visita vossa. Um abraço.

25 agosto 2008

ANDAr a caminho da LUZ


Foi nos dias 19 e 20 de Agosto que um grupo de jovens se lançou mais uma vez na aventura de caminhar em direcção à luz.

Partindo do Centro Social do Entroncamento, cheios de vontade de caminhar, com a confiança de que do nosso caminho Ele é a meta, a primeira paragem foi logo na casa das irmãs, onde nos deram sumo e bolinho, e um geladito! Depois toca a apanhar o comboio, onde seguimos até Mato de Miranda. Daí até Santarém, o caminho foi feito apenas pelas nossas perninhas... Com paragens, como é óbvio. Em Pombalinho almoçámos num belo jardim, sempre em espírito de partilha, e também nos divertimos muito... Principalmente a Irma Ana Cristina, que tomou um belo de um banho de repuxo (mas qual é a ideia de regar um jardim àquelas horas?), e a Ana Rita, que esperou pacientemente pelo jogo que, afinal, não veio (juro que a culpa não foi minha!)... Depois foi tempo de reflexão individual. Durante 45 minutos tivémos um encontro com Jesus, que repousou e conversou conosco. E houve também tempo para algumas sonecas... Depois de o Senhor ter tocado a cada um de nós de forma especial, e passadas as horas de maior calor, era tempo de nos fazermos novamente à estrada. Sempre com pequenas paragens, para partilhar os resultados de conversas a dois, e preenchendo as conclusões numas pequenas placas. Ainda antes do almoço, logo à saida do comboio, fomos desafiados a juntarmo-nos à pessoa que menos conheciamos.



Mais à tarde, partilhamos experiências de oração e a vivência cristã, e ainda tivémos um momento de evangelização de rua, em que tentámos levar aos outros um pedacinho de Deus, através de Luiza Andaluz, perguntando se já alguma vez tinham ouvido falar, e tentando dar a conhecer mais sobe ela. A partir dai só parámos ja em Santarém. Começou a escurecer, a estrada não tinha iluminação... Mas nós só precisavamos de uma luz. Era já noite quando rezámos o terço. Depois, as pernas começaram a sentir o cansaço do dia... Pensei em desistir. Em fazer o resto do percurso no carro de apoio. Mas quando me perguntavam se "queria uma boleia" nem por uma vez exitei. Não. Não queria. Não iria desistir. Podiamos ver ao longe as luzes da cidade. Continuei a andar, mesmo indo no grupo de trás. E pedia à Ana Rita para cantar comigo. "O Senhor é a minha força, ao Senhor o meu canto. N'Ele está a Salvação. N'Ele eu confio e nada temo.". E assim fui caminhando, até chegarmos ao nosso "hotel", já à entrada de Santarém, onde nos deram uma saborosa sopinha. Apesar de dormir pouco devido a uma dores estranhas numa perna, no outro dia lá estava pronta para caminhar. Mas não falava muito, e mesmo com algumas bolhas nos pés todos partimos com a alegria de sempre. Depois veio uma subida, a minha pior inimiga. E foi ai que todas as mãos se me estenderam. Uns empurravam, outros puxavam, outros encorajavam com palavras. Obrigado a todos, por me terem apoiado! É bom ver que existem pessoas assim =). Já no topo, estivémos na igreja onde Luiza Andaluz foi baptizada, e mais uma vez tivémos oportunidade de reflectir, e depois de deixar a nossa impressão digital numa das nossas placas, com a certeza de que queremos continuar a caminhar em direcção à luz. Depois vimos a casa onde estão as crianças que as irmãs acolhem, na fundação Luiza Andaluz, e até conhecemos algumas delas. Depois, na casa onde viveu Luiza Andaluz, foi altura de nos encontrarmos com os participantes do retiro de silêncio, que como nós tinham estado a efectuar uma caminhada em direcção à luz, ainda que de modo diferente... e sem tantas mazelas no corpo. Então foi a altura do almoço... E para grande surpresa, até a sopa de feijão verde (a minha preferida) apareceu na mesa! À tarde, conhecemos um pouco mais da vida de Luiza Andaluz, através de uma espécie de teatro, e depois, na capela, partilhámos com os jovens do retiro de silêncio os momentos da nossa caminhada, e eles deram-nos a conhecer a deles, através das placas que tanto nós como eles tinhamos escrito. Juntas todas as placas e partilhado o que nelas se encontrava, foi tempo de as "desembrulhar" e ver surgir do outro lado uma bela imagem, que nos fez lembrar de que caminhamos ao encontro de Jesus, pois "do teu caminho, Ele é a meta".


Seguiu-se um momento de oração, na cripta onde estava sepultada Luiza Andaluz (era dia 20 de Agosto, aniversário da sua morte). Depois disto veio um belo lanche, que se assemelhava a um grande banquete! E depois vieram as despedidas... Como estava à boleia das irmãs fui das ultimas a vir embora... O que até deu jeito, porque assim tive tempo para entregar à irmã Mafalda um recado... (os meus amigos açoreanos depois vão perceber isto...). E assim chegou ao fim o encontro, de onde ficou uma grande vontade de continuar esta caminhada, sem medo, sem desistir... As dores já passaram, mas o resto, o que isto teve de tão bom... Isso ficou. Portanto, valeu a pena!




Para quem não sabe quem foi Luiza Andaluz, deixo um desafio... Procurem saber mais sobre ela! Talvez se surpreendam. Ela também andou no caminho da luz. E encontrou-a.

09 agosto 2008

Açores - Sempre no coração

Linda terra,
que Deus banhou de mar,
respira do oceano a pureza.
Ilha formosa,
tão bela és, São Miguel,
onde o ar é mais puro
e o céu mais azul.
És paz,
és amor,
és vida a despertar.
Não deixes nunca de ser
a ilha dos amores.
Terra de encanto,
terra do coração,
deixas saudades.
Vives em mim,
jardim de flores.
Oh, terra bendita,
não te esqueças nunca de mim.
Recebes com o coração,
és fogo, és paixão,
um caminho a percorrer.
Choro, choro de saudade.
Da ausência
dos recantos de paz.
A vida cresce em ti.
És e serás
sempre a terra
que fica gravada no coração.

08/08/08



Dedicado a todos os que tão bem nos receberam e acolheram na sua terra de braços abertos, como irmãos. Pessoal, foi único. Um grande abraço a todos, com muitas, muitas saudades. Muito obrigado por tudo! Do fundo do <3

Ilhéu de Vila Franca do Campo

Jardim Terra Nostra